A vídeo performance tem como ponto de partida um caderno de caligrafia, espaço destinado a um exercício rígido e repetitivo e empresta para seu título frase retirada, ao acaso, do livro Psicologia das massas e análise do eu, de Freud. Preencho repetidamente a frase título em caneta vermelha até que o caderno se esgote. Numa ação contínua e hipnótica, o único objetivo aparente parece ser chegar o fim da brochura mas a repetição da escrita, em longa duração, revela falhas e reforços.

O resto do mundo não tem qualquer interesse

2020

video performance

sem áudio

70'20"

prêmio aquisição

Sala Compacta

Museu de Arte de Goiânia MAG

2021